Menor sob guarda deve ser incluído em plano de saúde suplementar de servidor, decide STJ

Plano de Saúde Suplementar – A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça – STJ decidiu, por quatro votos a um, na última terça-feira (8), que uma criança deve ser incluída como beneficiária em plano de saúde de servidor estadual. A decisão considerou que o direito dela à assistência deve preponderar sobre a regra previdenciária.

O julgamento do Recurso Especial – REsp 1.751.453/MS envolveu um pedido da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul para que uma menor, sob a guarda de beneficiário de plano de saúde da Caixa de Assistência dos servidores do estado, fosse incluída na condição de dependente natural, como se filha fosse. A criança é neta da companheira do beneficiário.

Em instâncias anteriores, o pedido foi negado sob argumentação que ela só poderia ser incluída na condição de agregada. A Defensoria sustentou que a simples filiação socioafetiva, ainda que não tenha se verificado adoção formal, constitui modalidade de parentesco civil e, portanto, dá ensejo à inclusão como dependente como filha.

Alinhado ao entendimento do STJ

O caso começou a ser julgado em 18 de maio. O relator, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, acolheu parcialmente o pleito da Defensoria. Seu voto, corrigido após indicações de ministros, alinhou o caso ao entendimento do STJ de que a guarda confere direito à criança a todos os fins de direito, inclusive previdenciário.

“Reconhecido que o menor está sob guarda judicial, este deve ser equiparado ao filho natural, merece acolhimento o pedido de restituição das diferenças dos valores desembolsados entre a contribuição ao plano de saúde do dependente natural e do agregado”, disse.

Autora de voto-vista, a ministra Nancy Andrighi negou provimento ao recurso. O ministro Ricardo Villas Bôas Cueva acompanhou o relator. “A guarda no caso foi devidamente concedida, não havendo nos autos indícios que o instituto foi utilizado somente com intuito meramente econômico, tão só para inclusão da menor em plano de saúde”, comentou o ministro.

Leia mais: STF resguarda direito de criança e adolescente sob guarda à pensão por morte

“Em suma, a existência de limitações à inclusão da criança ou do adolescente sob guarda em plano de saúde, com a cobrança de mensalidade em valor superior ao do dependente natural ou filho adotado ou tutelado de menores fere o próprio objetivo da guarda, que é propiciar ao infante a proteção integral pelo guardião em família substitutiva”, ressaltou Cueva.

O voto também foi acompanhado pelo ministro Marco Aurélio Bellizze e Moura Ribeiro, para quem a proteção integral da criança merece maior relevo que a norma que trata da previdência e da inscrição do menor sob guarda.

Diretor nacional do IBDFAM comenta decisão

O advogado, Ricardo Calderón, diretor nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM, avaliou a questão como correta. “A decisão do STJ é o que parece adequado e reflete efetivamente todo o intuito protetivo da nossa legislação, que começa na Constituição, passa pelo Código Civil e é reiterado no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA”, diz. “De certo modo, há um regime protetivo das crianças e adolescentes no nosso sistema jurídico que abarca inclusive as que estejam sob guarda de terceiros.”

O princípio da proteção integral das crianças é relevante e está de acordo com as diretrizes levantadas pelo IBDFAM, segundo o diretor nacional. “Todo este regime protetivo deve conferir a máxima proteção, como inclina a própria doutrina – e essa decisão procura retratar essa a máxima proteção”, explicou.

Fonte: IBDFAM

Tags: direito de família, plano de saúde suplementar, direito de criança, advogado de direito de família RJ, advogado de direito de família no Rio de Janeiro

Compartilhe nas redes

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Continue lendo